O Dono da Capa | Todos os Olhos

todos-os-olhos_tomze

Lançado em 1973, o quarto disco de Tom Zé, Todos os Olhos, traz uma capa que até hoje desperta polêmica. Elaborada segundo sugestão do poeta Décio Pignatari, amigo de Tom Zé, no intuito de afrontar a censura do regime militar brasileiro, a imagem pretende-se uma representação de um olho mediante o equilíbrio de uma bolinha de gude no ânus de uma mulher. A ousadia da capa, uma das mais premiadas da música brasileira, acabou passando desapercebida pelos censores.

Em 2001, quase 200 personalidades da música elegeram-na, na Folha de S.Paulo, a segunda melhor capa da MPB de todos os tempos, ficando atrás apenas do primeiro disco do grupo Secos & Molhados, também lançado em 1973. Em 2003, o disco foi adotado como tema de uma reportagem especial do jornal inglês The Guardian.

A versão inicialmente divulgada com relação à forma como teria sido produzida a capa de Todos os Olhos seria depois desmitificada, mas não completamente inverídica. À época, o escritor Reinaldo de Moraes trabalhava como assistente de estúdio na agência de publicidade E=mc2, que tinha como sócio o poeta concretista Décio Pignatari, autor da ideia da capa do disco de Tom Zé. A foto, encomendada ao estúdio, ficou sob a responsabilidade de Reinaldo, que convidou sua namorada para modelo.

Fã dos tropicalistas, grupo que Tom Zé integrava, a garota aceita a inusitada proposta de deixar-se fotografar com uma bolinha de gude no ânus. Reinaldo de Moraes carrega sua câmera fotográfica alemã Praktica, sem flash, quatro filmes Kodacolor ASA 100, dois abajures e uma caixa de bolinhas de gude, e dirige-se ao motel “Retiro Rodoviário” com a modelo. Utilizando a lente 50 mm invertida, para fazer a função de macro, e a 20 centímetros do corpo da garota, começa a clicar.

No dia seguinte, no entanto, após apreciação das imagens pela agência e por Décio, uma nova solução é solicitada a Reinaldo para amenizar o excesso de evidência com relação ao que estava representado. Na segunda sessão de fotos, eis que surge a nova ideia: colocar a bolinha de gude entre os rosados lábios da garota. Os lábios contraídos formam frisos que em muito se parecem com o que devem parecer, porém de forma mais sutil.

Todos os Olhos deve ganhar uma reedição em vinil, prevista para chegar às lojas no início de outubro. O LP volta ao mercado como parte da série Clássicos em Vinil, da Polysom, que obteve licença da Warner Music, herdeira do acervo da gravadora Continental, para o relançamento da obra.